Rio Doce Terra
                                                 
Atualizado em: 16/10/2017 às 15:42 horas                              

# Equilíbrio

Juninho Lobo

A correria do mundo moderno aumenta a cada dia, as cobranças também, o ser humano está perdendo a noção e a lógica das coisas em virtude do excesso de objetividade e resultados que lhe é imposto de forma exagerada.

Amigos leitores, estamos virando máquina, perdemos amor até pela vida, nossa e dos outros. É comum ouvirmos que fulano matou beltrano por uma dívida de R$ 5,00 ou porque no semáforo um carro encostou  no da frente e alguém reclamou e tomou um tiro. Onde está o equilíbrio da humanidade? Onde está o respeito pelo próximo?

Para executarmos de forma adequada qualquer trabalho ou ação, precisamos estar em pleno equilíbrio e em harmonia com as coisas e pessoas que nos rodeiam. Se é comum para você “viver com freqüência numa casa suja ou mal cheirosa”, saiba que você está em desequilíbrio, não é normal ; se você tem um salário razoável  e todo final de mês sua grana está sempre no vermelho , isso também é um desequilíbrio , se você sempre desperdiça alimentos , água , seu tempo , sua saúde através de atos que sabe que não são saudáveis, você está desequilibrado . Agora ,caso você tenha prazer em executar tarefas simples como arrumar uma gaveta , lavar uma panela num horário não apropriado para evitar um futuro acúmulo de afazeres para o dia seguinte, você está equilibrado e isso é muito positivo para sua existência no dia-a-dia, pois tudo vai estar em ordem e como deve ser. O mundo moderno nos puxa sempre para o desequilíbrio, e isso é um motivo e tanto para policiarmos nossas ações e nosso comportamento.

Procuremos encontrar nosso equilíbrio da forma mais viável e simples , para que possamos construir  um mundo melhor para nós e para toda a humanidade . Vamos parabenizar pelo facebook ou da forma que acharmos melhor, um ato bonito , saudável e nobre como mantermos limpas as  ruas da nossa Rio Doce que todo visitante observa e comenta , mas vamos nos indignar da mesma forma por um ato bizarro e nocivo  como por exemplo uma agressão a animais , a um desrespeito a um professor ou a um idoso ou  a um assalto a mão armada à uma lotérica de nossa pequena cidade.
 Só assim,  mesmo que lentamente,  poderemos e vamos conseguir  banir do nosso cotidiano as coisas ruins e tornarmos freqüentes as coisas boas e contribuirmos dessa forma para  um mundo melhor.