Rio Doce Terra
                                                 
Atualizado em: 07/06/2017 às 11:07 horas                              

# Natais

Tantos natais eu vi em minha vida,
Que os confundo já, ao recordá-los.
De alguns, sobraram sinos e badalos,
Cheiro de incenso e vela derretida.

Se aquieto a mente e a deixo adormecida,
Revejo igreja e riso e missa e galos.
Há fogo na cozinha: eu ouço estalos.
Cai sempre uma garoa aborrecida.

Maria e José, gente sofrida:
De mim, este presépio não sai mais.
Reis magos e estrela, luz demais.

História velha e gasta e repetida:
Embora a cor e o som, comerciais,
Ficaram lá na infância meus natais...

 

José Alberto Barreto
28.dezembro de 1.990