Rio Doce Terra

# Foto-história e comentários

Procissão passando pela Rua Coronel Bessa próximo a casa de João Barbeiro.

Comentários:

José Alberto Barreto Ave, ave, ave, Maria...

Fáti
ma Costa JUNINHO VOCE SABE QUE ANO FOI

Silvania Mól Muito legal.

Vanda De Freitas Gallinari Qual a data dessa procissão, Juninho?

Humberto Pizani Leal pelo visto há muitos anos atrás,vejo que a casa mencionada do João Barbeiro era antiga.

Luiz Fernando Lfuai A tia gidinha

Humberto Pizani Leal boa observação, como era animada naqueles tempos.Hj temos um mau humorado padre que pucha pra baixo nossas festividades. Lastimável nobre amigo.

Éder Soares Acho que a culpa é de todo mundo pq a tradição não acaba por conta de uma pessoa. Eu vc e todos riodocenses deixamos as tradições acabarem dentro de nós. Prova disso são as barraquinhas de Santo Antônio ano passado que houve setores que não quiseram fa...Ver mais

Juninho Lobo creio que essa foto é dos anos 60

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x--x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

 

Em 1952, chegava a Rio Doce vindo de Portugal , a imagem de nossa senhora de Fátima, doada pelo sr. Augusto Pereira. Está imagem se encontra na gruta no adro da igreja local. A foto foi tirada frente a atual prefeitura Municipal e a casa de Sr Hélio Palermo.

Comentários:

Rivane Lucas Minha protetora

Antonio Carlos Da Luz da Luz Parabéns Juninho, pelo resgate da história da nossa querida rio doce, , que atualmente poucas pessoas conhecem

Vanda De Freitas Gallinari Juninho, estou adorando as suas últimas postagens, com fotos antigas, que resgatam importantes momentos da história de Rio Doce. Isto é arte e educação. Parabéns!!

Canário Mól e isso ai mano

Juninho Lobo Valeu gente

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

Foto do povoado de Santana em 1905

 Comentários:

 

José Alberto Barreto Ainda vou ganhar sozinho na megassena e construir uma capela igualzinha a esta. Lá em Santana!


Fabíola Lopes De onde veio esse tanto de gente ?

Fabricio Superbi infelizmente não houve preocupação na preservação do patrimônio cultural. A existência dessa capela seria fundamental para reativar a memória histórica que se perdeu com o fim dela. Hoje não há em Santana do Deserto nenhum bem simbólico que remonte ao período Colonial. A edificação atual rompe com o passado histórico desvalorizando tudo o que foi construido do século XVIII até aquela data.

José Alberto Barreto Com todo respeito pelos que trabalharam pela e na construção da igreja atual de Santana, faltou uma porção de coisa, tipo sensibilidade, amor aos valores e à memória dos antepassados, pouco conhecimento da história... a igreja faz lembrar uma garagem

Fabricio Superbi Era perfeitamente possível construir um santuário moderno, como assim queriam, sem romper com o passado histórico. Dava para preservar essa capela, restaurando-a, e fazer também outra edificação nova.
Curtir · Responder · 24 de maio às 16:10