Rio Doce Terra

# Préa ou Piriá

 

Zootecnista

Rafael de Almeida Mata

 

Existe apenas duas espécies de preá: a que tem o nome científico de Cavia aperea é encontrada nos Estados do Sudeste e do Sul e também no Paraguai e na Argentina.Eles vivem em bandos nos brejos e nas proximidades das matas úmidas.A outra espécie de preá tem o nome científico de Galea spixii spixii,é típica da região Nordeste.Roedor rústico,vive em bandos e é um dos mamíferos mais comum na região da caatinga.Geralmente,faz seus ninhos em moitas de cactos ou bromélias e em pequenos buraco.

 
Preá(Galea spixii); Fauna do RN

ALGUMAS INFORMAÇÕES SOBRE O PREÁ(Galea spixii):



 

Popularmente conhecido como Preá,mas também chamado de pé-seco nas regiões do seridó e oeste do estado do Rio Grande do Norte. Mamífero roedor de corpo robusto,orelhas pequenas,sem cauda,pesam de 500g à 1kg e tem pelagem cinza-parda.vive nas capoeiras, entre pedras,barreiras de rios, canaviais, alimentando de capins e raízes, como não bebem água, retiram este líquido dos alimentos, principalmente da rama de batata. A fêmea tem de 2 a 3 filhotes, de três a quatro vezes por ano. O acasalamento é precedido de dança nupcial. Estando a fêmea no cio, com a vulva inchada, o macho dança ao seu redor até que emita o som de aceitação. São mais profílico durante os bons invernos.  A carne do preá além de saborosa,tem mais proteína e menos colesterol do que o frango de granja."é comido assado ou torrado. Caçadores tiram-lhe o pêlo na brasa,raspam,passam limão,desprezam a cabeça,e assam. É vendido nas feiras do interior do estado do RN. As fezes e a urina do preá,já tidas como fertilizantes de primeira,são utilizadas na produção de hortigranjeiros orgânicos.

 

CLASSIFICAÇÃO CIENTÍFICA:

REINO:Animalia

FILO:Chordata

CLASSE:Mammalia

ORDEM:Rodentia

FAMÍLIA:Caviidae

GÊNERO:Galea

ESPÉCIE:Galea spixii (Meyen,1833)

 

 
Cavia Aperea - O Porquinho selvagem




 

Os ancestrais dos nossos porquinhos são os porquinhos selvagens que ainda vivem em grande número em liberdade. Estes vivem numa grande área do continente Sul-Americano. Podem ser encontrados tanto nos campos, como nas savanas, florestas e mesmo montanhas até uma altura de 4500 metros. Os porquinhos selvagens vivem em tocas por debaixo da terra ou em buracos nas rochas.

São animais sociais que vivem em grupos estruturados hierarquicamente. Um grupo consiste num macho adulto , denominado de alfa, várias fêmeas e suas crias e o número de elementos varia entre 5 e 20. Estes grupos podem viver próximos de outros grupos. O macho quando atinge a puberdade, cerca dos três meses, é expulso do grupo pelo macho dominante e vai procurar formar o seu grupo com outras fêmeas.

Os porquinhos selvagens estão ativos de madrugada e saem das tocas aos nascer e pôr do sol para irem procurar comida. Durante o dia ficam nas tocas a dormir.
São animais vegetarianos puros. Comem normalmente ervas, folhas, casca de árvore, frutas e sementes.

A côr do pêlo é genticamente igual à côr agouti dourado ( de aparência acastanhada ) dos porquinhos de estimação. No entanto tende mais para o castanho acinzentado do que para o castanho avermelhado, sendo uniforme ao longo do corpo. O seu pêlo têm uma estrutura mais áspera, porque alguns dos pêlos são mais longos e destacam-se do corpo.

Na estrutura do corpo existem grandes diferenças para os seus parentes domésticos. Os porquinhos selvagens são mais delgados, com pernas mais fortes, que lhes permitem serem muito ágeis e darem saltos de 70 cm. O peso varia entre os 500 e os 600 gramas para animais adultos. A cabeça é mais longa com um nariz menos arredondado, orelhas espetadas e olhos escuros.

Algumas pessoas têm porquinhos selvagens em cativeiro. No entanto não deve ser esquecido que eles pertencem ao mundo selvagem e não são animais de estimação. Não são muito amáveis e não é fácil tê-loscomo animais domésticos. Precisam de uma gaiola muito grande quer lhes ofereça possibilidade de correrem.Têm também muitos problemas com a comida para porquinhos domésticos. É sempre um grande esforço ter animais selvagens em casa e a pessoa deve pensar se não é melhor adquirir um domesticado.