Rio Doce Terra

# A compra de Ringo Star

Juninho Lobo

 

Discorreremos, a seguir, sobre Luciano Rogério de Araújo Lima, também conhecido pela alcunha de Mr. Dollar. Esse apelido vem desde a época em que ele se dava bem em Governador Valadares com as verdinhas norte-americanas.


Viajando lá pelas bandas de João Monlevade/MG, em uma bela tarde, ao passar nas proximidades da cidade de Dionísio-MG, Luciano visualizou, quando o sol se punha no cenário, um lindo cavalo saltando de forma mágica pelas montanhas. Encantou-se com aquele belo animal de raça Campolina que o enfeitiçou tanto que desejou comprá-lo. Perguntou a um carroceiro que passava pelo local a quem pertencia aquele cavalo.  O humilde homem lhe respondeu que era de um fazendeiro chamado João de Araújo, e ainda, que o cavalo tinha o nome de “Apache”.  Mr. Dollar resolveu então pernoitar em Dionísio para, no dia seguinte cedinho, procurar o tal fazendeiro para tentar comprar aquele fenomenal cavalo de crinas longas.


No dia seguinte Mr. Dollar tomou o rumo para a fazenda do dono do cavalo.  Lá chegando apresentou- para o João Araújo, logo lhe perguntando se o Apache estava à venda, pois o achara um belo animal. O Fazendeiro disse que o tinha adquirido há pouco tempo no Sul de Minas e que só o venderia por um valor bem alto. Esse valor era de 200.000,00 cruzeiros. Luciano, ou melhor, Mr. Dollar assustou-se com o preço, embora ele tivesse esse capital, porém não poderia desembolsar tal quantia, pois precisaria utilizá-lo na empresa que possuía. Sem demonstrar interesse exagerado foi-se embora sem levar o Apache, porém muito frustrado.

Foi para Belo Horizonte e sempre que passava por Dionísio ia lá visitar o animal e tomar um cafezinho com o João Araújo, que acabou tornando-se seu amigo.  Uns quatro meses depois da primeira tentativa de compra, Luciano voltou com o dinheiro para comprar o animal, mas aí o João de Araújo já queria 400.000,00 cruzeiros pelo belo animal. Irado e raivoso, Luciano voltou ainda mais decepcionado para Belo Horizonte e prometeu a ele mesmo que só voltaria ali para comprar o cavalo a qualquer preço.


Chegando à Capital, Mr. Dollar entrou numa jogada financeira muito boa e ganhou uma baita grana.  Cinco meses depois voltou  à fazenda com 1.000.000,00 cruzeiros em uma mala e disse:  _ Dessa vez eu levo o Apache por qualquer preço!
Já era tardinha quando Mr. Dollar chegou a Dionísio, pernoitou numa pensão e contratou um caminhão com gaiola para trazer o Apache para Rio Doce. O curioso foi que ele pediu o caminhoneiro para ficar escondido com o caminhão numa moita de bambu perto da fazenda, pois o João não poderia saber da investida dele. Comprou um apito e disse ao caminhoneiro: ? Você só vai sair da moita quando ouvir o meu apito entendeu?  O caminhoneiro mais do que depressa concordou com a idéia, pois estava ganhando uma grana preta para levar o cavalo. Quando Mr. Dollar chegou à fazenda do João, ele foi para a cozinha, tomou um cafezinho e falou para ele que estava indo ver alguns parentes na região e resolveu fazer-lhe uma visita. Conversaram sobre economia, carros, futebol, mas nem cogitou tocar no assunto da compra do Apache, pois este silêncio fazia parte da estratégia de compra dele. João então falou ao Mr. Dollar:


_ Uai Luciano, já faz mais de meia hora que estamos conversando e você nem falou do Apache?  O que está acontecendo?
_ Ah! João.  Eu comprei um cavalo na exposição da Gameleira por uma fortuna!  Inclusive eu acho que até tenho uma foto dele aqui, quer ver?  Mexeu na pasta e mostrou várias fotos ao amigo que ele realmente havia tirado do cavalo campeão brasileiro na exposição; a questão foi que este cavalo nunca tinha sido dele  e jamais seria!   Era apenas uma jogada comercial.
_ Nossa senhora!  Mr. Dollar, realmente esse cavalo é lindo de morrer!
_ Pois é, cometi a loucura de dar 1.000.000,00 de cruzeiros nele, mas se você fizer um preço camarada, eu tenho coragem de comprar o Apache também, pois eu o acho muito bonito, apesar de ser bem inferior ao “Elvis Presley”, esse campolina branco da foto.
_ Uai Luciano, eu tô meio apertado e, se você  quiser, eu te vendo ele por 200.000,00.
Luciano tomou aquele choque!  Ele sabia que tinha vencido a parada.  Foi então até ao Landau, abriu a mala e tirou a grana e disse: ? Negócio fechado João de Araújo, me passa o recibo da transação porque o dinheiro está aqui. O fazendeiro assinou o recibo, meio trêmulo, pois achava que o Dollar não ia mais comprar o Apache em decorrência da compra do Elvis.
Com o recibo assinado, Luciano tirou o apito do bolso e começou a assoprar e o João não entendeu nada. Um minuto após, aquele caminhão que estava amoitado, surgiu e mais do que depressa embarcaram o cavalo com destino a Rio Doce. Quando tudo estava pronto, recibo já no bolso, cavalo engaiolado, pagamento feito, Mr. Dollar disse para o seu amigo de Dionísio:

_ João de Araújo, você caiu no maior golpe da estória! Eu nunca comprei aquele cavalo branco, mas resolvi que hoje eu compraria o Apache a qualquer preço. Tem um milhão na mala aqui oh!  E você me vendou ele só por 200.000,00. Fiz isso porque você me matou de raiva por duas vezes. Agora acabou o meu pesadelo, o cavalo é meu e o nome dele a partir de agora é Ringo Star. Foi um prazer negociar com você. Foi embora e nunca mais voltou ali. Trouxe o cavalo para Rio Doce, e no Gambá, onde o cavalo passou a morar, ele era tratado com maçã Argentina, cenoura e alfafa. O cavalo ficou lindo e durou mais uns 10 anos em Rio Doce.

Morreu no início dos anos 80.